Celebrando o Dia da Língua Portuguesa

Este é o segundo 5 de maio enquanto Dia da Língua Portuguesa. É uma celebração que revela e honra o caráter global, naturalmente intercultural e profundamente diverso da língua portuguesa.

Os eventos principais do dia tiveram lugar nas instituições e organizações que segui, em grande parte, em direto.

  • O Camões, I.P. dedicou-de à apresentação de livros e antologias para celebrar a literatura e as artes de uma forma global.
  • O Ministério dos Negócios Estrangeiros assinalou a data neste evento.

O Observatório da Língua Portuguesa publicou vários links de informação de eventos que visam a celebração deste dia.

Todas as editoras celebraram este dia, umas através das menções e historietas publicadas nas redes sociais, umas de forma mais suave, outras ações de significado um pouco mais profundo concorreram para que o marco fosse assinalado. 

A Editora Lidel organizou um evento em que conjugou a apresentação de um livro recentemente publicado que inclui reflexões teórico práticas sobre Português, Língua de Herança.

A Porto Editora participou com o Camões I.P. na celebração do Dia da Língua Portuguesa, juntando a apresentação de um livro com mini-conversas e apresentações sob a forma de uma conversa com vários atores no âmbito do Português, Língua de Herança.

Há cinco anos atrás experienciei um assalto, provavelmente mais hollywoodesco do que em Hollywood, e senti que ao me levarem a carteira, sem dinheiro vivo e levando apenas cartões, principalmente o do cidadão me tinham levado a identidade. Ao ver a minha carteira voar para o rio, com os meus próprios olhos depois de ter alcançado o assaltante,  tinha pensado enquanto corria, ofegante, em três ou quatro coisas ao mesmo tempo para apanhar em vão o bandido: Como era possível isto ter-me acontecido? Quem era eu agora? Como viajaria na semana seguinte? Imaginei uma nova identidade, em que mesmo com talvez cabelo diferente, não deixaria de ser professora, mas num novo tempo, em que o espaço era relativo. Os meus pensamentos foram interrompidos ao ver o bandido parar e querer conversar comigo, o que revelava perante a minha perplexidade uma certa insuficiência mental enquanto ele baixava as suas calças no meio da rua, uma arma que realmente me deteve e me levou a expressão oral, com certo medo à mistura. A sua brincadeira em que ninguém ganhou nada (ele não levou dinheiro, e eu fiquei sem os meus documentos) foi interrompida por um polícia que saltou de um carro numa fila de trânsito para me ajudar. Fiquei mesmo agradecida. E, depois, passou tudo a história, fiz queixa na polícia, viajei com o passaporte e renovei o cartão de cidadão. 

Na renovação deste atual cartão de cidadão, parecia que o destino me chamava a completar uma volta perfeita até ao local da ação anterior e a receber o meu renovado cartão de cidadão na mesma cidade em que perdi há anos um igual. Levantei-o hoje no secção consular desta cidade e foi como se a minha identidade tivesse mesmo renovado votos. Não num dia qualquer, mas no dia 5 de maio, no Dia da Língua Portuguesa.

By languagestuff

More than 15 years of experience in the teaching of English, German and Portuguese, Lingua Design is the place to go if you trust personalized learning.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *